Blog

novembro 18, 2021

Descubra como a técnica storytelling pode ajudar o seu negócio!


Você já deve ter visto vários comerciais de TV ou uma propaganda de marketing que conta uma história, e no decorrer dela você percebe a “transformação” do herói, ou seja, do personagem principal. Essa técnica de construção é chamada de Storytelling.

Storytelling, o que é isso? Você deve estar se perguntando agora, calma vamos te explicar!

Storytelling é a arte de contar, desenvolver e adaptar histórias utilizando elementos específicos, como por exemplo, personagem, ambiente, conflito e uma mensagem, em eventos com começo, meio e fim, para transmitir uma mensagem de forma inesquecível ao conectar-se com o leitor no nível emocional.

Mas por que eu vou querer contar uma história?

A resposta é simples: porque as histórias são legais! Elas se caracterizam pela transfusão de emoções, ou seja, através delas você transfere, doa para o outro aquilo que sente. Na hora de contar uma história, o sentimento que estiver presente no autor será doado para a persona.

O storytelling é baseado na jornada do herói, onde todas as histórias giram em torno dele. Assim a persona estará sendo envolvida, se colocará como se própria no herói. As histórias levam o público a uma jornada, geram identificação e despertam emoções.

Neil Gaiman¹, autor britânico de contos, romances, banda desenhada e roteiros, disse uma vez que “Histórias lidas no momento certo jamais te abandonam. Você pode esquecer o autor ou o título. Pode até não lembrar precisamente o que aconteceu. Mas se você se identifica com uma história, ela continua com você para sempre.”

Uma história espetacular faz com que o leitor percorra cada passo na pele do protagonista, sofrendo com ele e enfrentando todos os obstáculos no caminho, movido pela esperança de superar o conflito e vibrando quando isso ocorre.

Entendi, mas o que isso tem a ver com a minha empresa/negócio?

Tudo! As corporações precisam reinventar a atividade mais antiga do mundo, a arte de contar histórias. Quer saber o por quê? Vamos lá!

Pare para pensar um pouco sobre sua empresa/negócio, parou? Ótimo, agora pense em como ele foi desenvolvido/criado, como você quer transmitir isso para o público? Como algo “monótono” e sem emoção? Ou, como algo que traga o seu cliente para perto? 

Pense comigo o seguinte, se você apresentar um produto como um relógio, por exemplo, você vai simplesmente dizer “temos um relógio muito bom, completo, e que facilita você ver a hora no dia a dia”, ou você vai querer que o seu cliente se envolva com o produto e queira comprá-lo? 

Você tem duas opções diante de você, uma é apresentar o relógio de forma simples e monótona que todos fazem e a outra é criar uma história em volta dele, ou criar um personagem que se envolva com o relógio ao ponto do seu cliente querer aquelas emoções para ele e o faça adquirir o produto.

Qual você escolheria? Ainda na dúvida? Vou te ajudar mais um pouco! Pense, você vê um anúncio na tv ou nas redes sociais, e esse anúncio conta uma história em volta de um produto, um celular, por exemplo, e essa narrativa te envolve ao ponto de você querer o aparelho, mesmo sem você precisar tanto. 

Agora se essa mesma empresa apenas apresentasse o celular de forma simples e comum: “temos aqui um celular muito bom, que vai te ajudar no dia a dia com várias acessibilidades” você o compraria? Não, né?

Sabe por que? Porque não houve uma interação com você, não despertou sentimentos, e aquele celular passou a ser mais um produto, sem interesse.

Miles Hohrman, assistente editorial na homepage da Fast Company em artigo sobre Hábitos de Sucesso para Executivos², disse: “Grandes empresas sabem que o Storytelling é a grande arma secreta para fazer gestão de marcas. Por quê? Porque as pessoas não se apaixonam por tabelas, dados, números e slides em powerpoint. As pessoas são movidas pelas emoções”.

Algumas empresas multinacionais já tem recorrido ao storytelling, como por exemplo a Coca-Cola, a Nike, a Johnson & Johnson, entre outras. Elas tem a capacidade de criar uma cultura popular, desenhando um novo tipo de consumo não só de produto, mas também midiático.

Mas você pensa, “essas marcas são grandes, reconhecidas”, sim, de fato são! Mas, dá pra fazer storytelling com qualquer marca e produto.

Sério? Como? É o que você está se perguntando, calma vamos te dizer!

Você precisa humanizar sua marca dando outra percepção para o seu produto ou serviço. É importante observar se os 4 P’s (produto, preço, praça e posicionamento), além da comunicação, realmente entregam a sua promessa. Isso pode parecer básico e até simples, mas um check-up da marca é esquecido em algumas áreas da empresa ou destinado apenas para os departamentos de marketing e comunicação.

Com isso bem definido, você precisa analisar a persona sobre o seu produto/serviço, por que ele foi criado? Para que? Quando você define isso, começa a trabalhar em cima da “dor” do cliente, e como o seu produto/serviço resolverá esse problema.

Para criar um storytelling é necessário seguir uma linha específica: introdução> problema (a dor da persona)> recusa ao chamado> o mentor> grande desafio> resolução.

  1. Introdução

Na introdução somos apresentados ao personagem e seu mundo.

  1. Problema (dor)

Momento que somos apresentados ao conflito do personagem

  1. Recusa ao chamado

O protagonista se vê em um conflito interno entre o seu desejo e a sua necessidade, de forma que, inicialmente, ele pode se render à zona de conforto do seu mundo atual.

  1. Mentor

Quando algo ou alguém chama a atenção do herói para a necessidade de agir. Pode ser um mentor, um evento ou até mesmo uma coisa.

  1. Grande desafio

Nosso herói encontra novos aliados e inimigos e, ao enfrentar novos desafios, ele aprende as regras e o funcionamento do novo mundo.

  1. Resolução

Vencido o conflito, nosso herói recebe a recompensa após vencer seus medos e ter novas descobertas. A recompensa costuma ser a mensagem transmitida.

Para criar o storytelling é preciso ser criativo, não romantizar exageradamente, e fugir dos clichês.

Separamos 2 exemplos para inspirar suas novas histórias

  1. Dove: Retratos da Beleza

Em uma dinâmica, a Dove pediu que várias pessoas se descrevessem para um artista. Ele, por sua vez, desenhava cada detalhe minucioso que lhe era descrito. Rugas, pintas e outros elementos da feição eram sempre os mais mencionados.

No segundo momento, pediam que descrevessem outras pessoas que estavam no grupo da dinâmica. A comparação entre os dois desenhos mostrava como as pessoas se enxergavam sempre mais negativamente do que as outras.

Com isso, a Dove quis elevar a autoestima de seu público, mostrar que era preciso se amar mais. A experiência foi transformada em um vídeo que viralizou sua mensagem.

  1. Heineken: Mulheres também curtem futebol

A história mostra homens sendo abordados secretamente para assistirem a final da Liga em um evento da cerveja, o que seria necessário convencer suas namoradas ou esposas a irem para um SPA.

O convite irrecusável, com uma boa compensação para suas companheiras não deixa dúvidas, e eles executam o plano.

Porém, no dia do jogo, descobrem que elas não foram enviadas para um SPA, e sim, para assistirem ao jogo ao vivo, em Milão. Com o nome “The cliché”, a campanha se diverte com o fato do senso comum achar que mulher não gosta de futebol.

O storytelling faz a diferença tornando uma marca lendária e parte do consumo simbólico de uma cultura.

Referências:

¹ https://www.rocco.com.br/autor/neil-gaiman/

² HOHRMAN , Miles – Hábitos de Sucesso para Executivos

TERENZZO, Marta e Fernando Palacios – O guia completo do Storytelling

Avatar

Carina Santos

posts relacionados